Termos e Condições

Cada "Kit Se Cuida" contém 01 (um) canudo de metal e 01 (um) snack, que será distribuído gratuitamente aos usuários cadastrados.

O Kit estará disponível para retirada até o dia 31 de maio de 2019, no horário das 9h às 17h, na sede administrativa da Unimed Blumenau, localizada na rua das Missões, nº 455, bairro Ponta Aguda, Blumenau (SC).

Válido apenas 01 (um) Kit por CPF cadastrado.
Somente o portador do CPF cadastrado poderá retirar o Kit.
É proibida a comercialização e/ou venda do Kit.
fechar
menu mobile
Julho

Diabetes

#secuidahein

Confira o vídeo:

com Dra. Sheila Piccoli Garcia

Como prevenir a Diabetes

Diabetes na terceira idade exige cuidados e atenção redobrada

Considerada uma doença silenciosa e crônica, o Diabetes Mellitus é um hormônio produzido pelo pâncreas cuja função é regular a quantidade de glicose no sangue. O tipo 2 da doença, que é o mais prevalente, está relacionado ao envelhecimento, ao sedentarismo e à obesidade, fatores que se intensificam na terceira idade.

Um dos motivos para o surgimento do diabetes na terceira idade é a diminuição da produção de insulina, hormônio responsável por manter a glicose dentro das células. A falta do mesmo acarreta em uma maior quantidade de açúcar na corrente sanguínea, sobrecarregando, assim, o pâncreas. Além disso, é nessa fase da vida em que há uma grande redução da prática de exercícios físicos, levando ao sedentarismo, um dos fatores do diabetes. 

 

Alimentação na terceira idade

A alimentação na terceira idade também precisa de atenção. Um cardápio saudável para o idoso é fundamental para evitar complicações e tornar a convivência com a doença mais tranquila nessa etapa da vida.

Com o envelhecimento, o metabolismo tende a diminuir e, assim, surgem alguns desafios, dentre eles, a convivência com o diabetes. Os diabéticos devem seguir uma dieta tendo em vista o controle glicêmico para evitar futuras complicações. Durante a terceira idade, esses cuidados devem ser redobrados.

Algumas medidas devem ser adotadas para garantir que o cardápio do idoso seja nutritivo e, ao mesmo tempo, assegure o controle glicêmico e uma convivência tranquila com a doença. Abaixo listamos algumas dicas:

 

  • Fazer substituições, como trocar a batata inglesa, que possui um alto índice glicêmico, por carboidratos de menor valor glicêmico, como o inhame e cenoura;
  • Combinar carboidratos de baixo valor glicêmico com alimentos ricos em fibra, como cereais e grãos integrais;
  • Inserir mais frutas e verduras no cardápio do idoso;
  • Substituir os cereais e massas refinadas pelas versões integrais.

 

Controlar o diabetes não significa mudar radicalmente de vida, mas ficar atento à ingestão de açúcares. Outra excelente dica é incluir exercícios físicos na rotina do idoso, pois eles mantém os níveis de açúcar controlados e afastam o ganho de gordura. Por isso, o recomendado é que as atividades ocorram pelo menos de três vezes na semana.

Compartilhe:

ler mais
Diabetes na infância: atente-se aos sintomas e prevenções

Hábitos de vida como esses podem causar diabetes tipo 2, um dos mais comuns na infância e que está relacionado à obesidade. Na maioria dos casos, a doença pode ser controlada apenas com hábitos saudáveis. Já os maus hábitos alimentares e sedentarismo aproximam cada vez mais o distúrbio das crianças e dos adolescentes e colocam em risco o seu desenvolvimento.

 

Apesar de o organismo produzir a insulina, a obesidade provoca nas células uma resistência à ação desse hormônio e essa resistência gera uma grande concentração de glicose no sangue, causando, assim, uma hiperglicemia e consequentemente, diabetes. E quando o assunto é diabetes na infância, a precaução e a educação alimentar são quesitos essenciais para um futuro saudável e seguro

 

Sintomas do diabetes na infância

Para descobrir se a criança tem diabetes, é importante saber como identificar os sintomas. A manifestação da doença é caracterizada pelo excesso de sede e de urina, além da perda de peso ou sobrepeso repentino. É importante ficar atento se, por exemplo, a criança voltar a urinar na cama ou acordar com frequência durante a noite para beber água. Ao perceber essas ocorrências, é importante procurar um médico de imediato. Após o diagnóstico, é importante o monitoramento da glicose e o uso da insulina se necessário.

 

Prevenções e qualidade de vida

Para se prevenir do diabetes é importante ter hábitos saudáveis desde cedo, como alimentação balanceada, incluir a prática de exercícios físicos regulares no dia a dia e acompanhamento médico anual. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a inatividade física é a causa de aproximadamente 27% dos casos de diabetes, por isso, busque incluir atividades físicas com frequência na rotinas das crianças.

Outro dado preocupante é que, de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 30% dos adolescentes consomem doces em excesso. Por isso, é importante, sempre que possível, evitar alimentos artificiais, ricos em açúcares, frituras e carboidratos simples. Uma dica é priorizar alimentos como vegetais, legumes e frutas, ricos em fibras, peixes, carnes pouco gordurosas e com pouco sal. São medidas simples mas que podem garantir uma vida mais saudável.

Compartilhe:

ler mais
Diabetes gestacional: conheça a doença que atinge aproximadamente 4% das gestações

Caracterizado pelo aumento incontrolado dos níveis de glicose no sangue durante a gravidez, o diabetes gestacional pode trazer complicações à saúde da mulher e do bebê. Ao longo dos nove meses de desenvolvimento do feto, o corpo passa a produzir uma maior quantidade de insulina, responsável por transportar a glicose dos alimentos até as células. 

Se a glicose não consegue entrar nas células, ela se acumula no sangue, causando, assim, o diabetes gestacional. No decorrer da gravidez a mãe precisa de uma quantidade maior de insulina para o bom desenvolvimento do bebê e quando a mulher tem diabetes gestacional, o pâncreas se mostra incapaz de fazer esse papel pela mãe e pelo bebê. Geralmente, essa doença aparece porque os hormônios da gravidez interferem nesse processo.

O diabetes gestacional pode trazer riscos para a saúde da mãe e do bebê, pois quando o feto é exposto a grandes quantidades de glicose ainda no útero, há maior risco de desenvolver obesidade e diabetes no futuro, crescimento excessivo (macrossomia fetal), dificuldades no parto e hipoglicemia neonatal.

Atente-se! 
Não é muito comum a presença de sintomas mas é importante ficar atento ao surgimento de sede constante, cansaço e vontade constante de urinar. Os fatores de risco são gestação com idade mais avançada, ganho de peso excessivo, pressão alta, triglicérides e colesterol alto, sobrepeso ou obesidade, histórico familiar de diabetes, gravidez de gêmeos e diabetes em gestações anteriores. 
A mudança no estilo de vida é o principal tratamento para diabetes gestacional. Durante a gravidez é importante:

  • Monitorar o açúcar no sangue; 
  • Fazer uma dieta balanceada, incluindo frutas, legumes e grãos integrais e, limitando carboidratos altamente refinados, incluindo doces;
  • Praticar atividade física regular;
  • Monitorar e crescimento e desenvolvimento do bebê. 

É importante lembrar que mesmo que o diabetes desapareça após a paciente dar à luz, mulheres que desenvolveram a condição durante a gestação têm maior propensão para se tornarem diabéticas posteriormente e mais chances de apresentar o mesmo problema em uma gravidez posterior.

Compartilhe:

ler mais
Diabetes: conheça características da doença que atinge mais de 13 milhões de pessoas no Brasil

insulina é fundamental para manutenção do bem-estar do organismo, que precisa da energia para funcionar. Altas taxas de glicose podem levar a complicações no coração, nas artérias, nos olhos, nos rins e nos nervos. Em casos mais graves, o diabetes pode levar à morte.

 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, existem, atualmente, no Brasil, mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença, o que representa 6,9% da população nacional.

 

Características do diabetes

Os principais tipos de diabetes são o tipo 1 e tipo 2, sendo o segundo o mais comum, responsável por 90% dos pacientes com a doença. Este tipo é adquirido na vida adulta principalmente como consequência de excesso de peso, sedentarismo e dieta desregulada.

São diversos os fatores que levam ao desenvolvimento do diabetes, como obesidade, pressão alta, problema de colesterol e sedentarismo. Quem possui familiares com diabetes também tem um risco mais alto de ter a doença. Mulheres com síndrome dos ovários policísticos ou que tiveram diabetes na gestação também devem se cuidar e realizar exames periodicamente.

Já o diabetes tipo 1 aparece em crianças e jovens adultos, independentemente do estilo de vida do indivíduo. Trata-se de uma doença autoimune, na qual o pâncreas não consegue mais produzir insulina. Por isso, o indivíduo fica dependente de injeções do hormônio.

 

Prevenção

A melhor forma de prevenir o Diabetes é praticar atividades físicas regularmente, manter uma alimentação saudável e evitar o consumo de álcool, tabaco e outras drogas. Comportamentos saudáveis evitam não apenas o diabetes, mas outras doenças crônicas, como o câncer.

Compartilhe:

ler mais