Termos e Condições

Cada "Kit Se Cuida" contém 01 (um) canudo de metal e 01 (um) snack, que será distribuído gratuitamente aos usuários cadastrados.

O Kit estará disponível para retirada até o dia 31 de maio de 2019, no horário das 9h às 17h, na sede administrativa da Unimed Blumenau, localizada na rua das Missões, nº 455, bairro Ponta Aguda, Blumenau (SC).

Válido apenas 01 (um) Kit por CPF cadastrado.
Somente o portador do CPF cadastrado poderá retirar o Kit.
É proibida a comercialização e/ou venda do Kit.
fechar
menu mobile

Amamentação: saiba como o leite materno reduz chances de obesidade infantil

Amamentação: saiba como o leite materno reduz chances de obesidade infantil
O leite materno é o alimento mais completo e equilibrado, atendendo todas as necessidades de nutrientes para a criança. A amamentação exclusiva até os seis meses, e prolongada até os dois anos de idade da criança, é comprovadamente protetora para o desenvolvimento saudável do bebê.

Além de fortalecer o vínculo entre mãe e filho, a amamentação diminui o risco da mulher desenvolver inúmeras doenças e possui benefícios importantes para garantir o crescimento da criança. Um deles é contra a obesidade infantil.

A gordura que é produzida em leites industrializados possui maior índice de insulina, fazendo com que o bebê acumule mais gordura no corpo. Enquanto o leite da mãe é próprio para o recém-nascido e tem menos gordura do que as fórmulas produzidas. A gordura que há no alimento natural é especial e melhora o desenvolvimento cerebral e físico do bebê.

Outro fator importante é que, no peito, o bebê regula a saciedade, consumindo somente o necessário, enquanto que, na mamadeira ele irá consumir mais do que se mamasse no peito, pois o fluxo de leite é maior e mais fácil de sugar.

O leite industrializado não é um vilão, pois, há diversas mães que não podem amamentar e necessitam usar a mamadeira, basta, apenas, fazer o controle com o pediatra e dar a quantidade certa.

 

Aleitamento materno contra a obesidade infantil

Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), crianças que nunca foram amamentadas estão 22% mais propensas a serem obesas. E, para bebês que foram amamentados nos seis primeiros meses de vida, o risco caía para 12%.

Durante a amamentação, a criança experimenta sabores diferentes, porque o leite varia de composição de um dia para o outro, ao longo dos meses e de acordo com a alimentação da mãe. Com isso, "o bebê vai ter um paladar mais fácil depois".

Ou seja, crianças que foram amamentadas terão preferências alimentares mais favoráveis no futuro, comendo mais frutas e vegetais do que aquelas que são alimentadas com fórmula.

Porém, não é só a questão do leite materno ou da fórmula que influenciará no risco de obesidade infantil. Os hábitos alimentares da família são muito importantes para se ter uma saúde e um peso ideal. As famílias com sobrepeso tem bebês já com propensão. Desde o nascimento do bebê, a família deve se preocupar em manter hábitos saudáveis para que a criança cresça em um ambiente favorável.

Compartilhe: